segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

"GARRAMAR" - O SURFE CAIÇARA EM CANOAS

A primeira vez em que ouví a palavra "garramar", anotei: "agarra mar", mas depois confirmei ser garramar mesmo. Trata-se de surfar uma onda com a canoa à remo, seja por puro divertimento, (brincadeira de infância de muitos dos meus Mestres Caiçaras durante as maresias), seja para demonstrar habilidade e coragem, pois dependendo do tamanho da onda pode ser fatal bater a cabeça contra o tronco esculpido.
Como no surfe, é muito importante escolher a onda certa, (que abra e não seja "caixote") e também governar com o remo para que a canoa não atravesse na onda causando um capotamento.
Algumas técnicas ajudam neste processo:
1- andar para a proa (board walk) facilita entrar na onda;
2- ficar na popa com o remo bem afundado, funcionando de leme, facilita manter o rumo correto;
3- é preciso sempre descer a onda um pouco de "fianco", ou seja, na diagonal para o lado que a onda abre (como no surfe), e o remo sempre no bordo oposto "encontrando"a água para impedir que a canoa atravesse, esse é o movimento mais difícil e que precisa de certa dose de fé; (veja aqui 0:42s);
4- caso ocorra um capotamento, deve-se afastar ao máximo do casco para não ser atingido, e o remo deve ser largado para que não quebre.

O garramar exige muita habilidade e coragem, seja nas exibições durante as corridas de canoas, seja na volta à praia depois das pescarias quando o mar está grosso. Nestes casos o perigo aumenta ainda mais pois a canoa está cheia e pesada com a rede, e caso haja um capotamento e a rede vire por cima do pescador, é morte certa.

Algumas imagens podem falar bem mais do que tentar descrever esta bela arte dos pescadores Caiçaras mais destemidos:

1
foto1: Cristina Prochaska (Lucas da Barra Seca - Ubatuba 2011) 

2
 3




4 
fotos 2, 3 e 4: Fausto Pires de Campos (Trindade-RJ, Década de 70)

Garramar triplo, fonte: facebook



quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

ENXÓ 2012 - Construção Naval Artesanal

Realizou-se nesta semana, dias 4,5 e 6 de dezembro o ENXÓ 2012, Encontro Nacional de Pesquisa & Ação em Construção Naval Artesanal na cidade de São Mateus - ES. O evento muito bem organizado pelo Laboratório de Engenharia do Produto - CEUNES/UFES, capitaneado pelo Prof. Yuri Walter e sua equipe.
Participaram, de diversas regiões do Brasil, (AM, BA, CE, RJ, ES, SP, SC) pesquisadores, extensionistas, educadores e artesãos de diversas áreas do conhecimento que atuam na construção de embarcações artesanais, através de mesas redondas, palestras e apresentações orais de artigos técnico-científicos. Segundo o Prof Yuri Walter: "Nossa intenção é o "lançamento" de um evento regular na área, futuramente agregando outras atividades, como oficinas práticas, exposições, etc".
O evento proporcionou um tipo de interação quase que religiosa (do latim religare) entre os participantes, pois eu nunca havia experimentado compartilhar as mesmas idéias, saberes, filosofias e paixão por uma área de pesquisa da qual tão poucos se interessam. Foi como reencontrar velhos irmãos que estavam há muito distantes. Foi opinião geral, que deste primeiro encontro, seja construída uma rede de comunicação permanente sobre a construção naval artesanal, possibilitando uma maior sinergia e troca de informações sobre este tema de tanta importância sociocultural e ao mesmo tempo tão ameaçado de desaparecimento. Que venha o ENXÓ 2013. Clique aqui para assistir a palestra sobre o registro da Canoa Caiçara como bem cultural imaterial do Brasil.
Mestre Agrício Neri Barbosa, foto: Peter Santos Németh

domingo, 25 de novembro de 2012

ENSEADA DO FLAMENGO - ENSEADA DOS TUBARÕES

Mergulhando a fundo nos documentos referentes a região da Praia da Enseada e Ilha Anchieta, encontrei vários registros de terras datados da segunda metade do século 19.
Estas escrituras de terras denominam a localidade como "Enseada dos Tubarões".

Estes documentos podem comprovar que as antigas "histórias de pescador" que narram encontros titânicos com enormes cações na região da atual Enseada do Flamengo e Ilha Anchieta eram 100% verdadeiras. Relatos de canoas abocanhadas, pescadores desaparecidos e também de presos "vigiados" e impedidos de escapar à nado do presídio da Ilha Anchieta pela grande quantidade de tubarões no canal do Boqueirão, podem refletir nada mais que a realidade.
Estes encontros eram tão frequentes que até existiam técnicas especiais para escapar de um ataque das temidas tintureiras, anequins ou galhas pretas, espécies mais agressivas.
Estas técnicas incluíam a cor da pintura do fundo da canoa; o ouvido atento ao "choro de bebê" carcterístico de um ataque eminente, após o qual todos se deitavam em absoluto silêncio no fundo da canoa; e a técnica de abandonar o banco da canoa juntamente com os restos de isca e sair remando muito silenciosamente.

Neste mesmo período, por volta de 1856, relatos de navegadores ingleses já utilizavam dupla denominação para nossa Enseada, um dos quais traduzo: " Mais abaixo para o oeste está a Ilha dos Porcos entre a qual e o continente encontra-se um confortável ancoradouro chamado Baía dos Flamengos, de outro modo chamada Shark's Bay."

No entanto outro livro de 1820 chamado "Memorias Historicas do Rio de Janeiro" registra: "Defronte da ilha (Anchieta) está a Enseiada dos Tubaroens, boa, limpa e capaz de navios grandes".

Uma coicidência, é o fato de que o nome antigo da cidade de Ubatuba era Iperuig, que significa em tupi: água dos tubarões (iperu=tubarão, y=água/rio).
Abaixo uma foto da Praia da Enseada em 1950, mostra como podem ter sido um dia estas águas qualhadas de tubarões.
foto: Família Prochaska.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

UMA CANOA UBATUBANA NAS TERRAS DO TIO SAM?

Esta é uma história de algumas décadas atrás, mas no entanto sempre me desperta enorme curiosidade. Talvez um dia eu ainda consiga mais informações sobre o acontecido ou até mesmo descubra onde está esta canoa.
Aí vai, por enquanto, o que eu tenho.

“Afinal, a "Sala Nova" acabou sendo construída e inaugurada com festa. A partir daí passou a ser o cenário de inúmeros fatos inesquecíveis, além das aulas. Um destes episódios foi o da despedida do professor John Stark, que deixava a Glete para retornar aos Estados Unidos. Em 1964, se não me trai a memória, o professor Stark ia retornar aos Estados Unidos e o corpo discente e docente decidiu homenageá-lo com uma festa de despedida, na Sala Nova, evidentemente. A despedida foi organizada pelo CEPEGE e deveria ser dada uma lembrança ao mestre. Discutiu-se muito qual deveria ser o presente, recaindo a escolha em lhe oferecer uma canoa, daquelas cavadas em um tronco de árvore, muito usada pelos pescadores nos rios e na costa. Essa boa e inusitada sugestão foi dada pelo professor Melcher, que tinha conhecimento da predileção do Stark pelo canoísmo, pois ele morava nos EUA, à margem de um lago, onde costumava andar de caiaque. Uma canoa foi, então, adquirida de um pescador no Saco da Ribeira, Ubatuba, com a interveniência do autor deste texto que, naquela época, realizava pesquisas no litoral Norte do Estado, transportada para a Glete e presenteada ao Mestre Stark, no dia da sua festa de despedida. E o saudoso professor ficou grato e emocionado, levando o presente para os Estados Unidos, como parte da sua bagagem. Alguns anos mais tarde, recebemos a notícia de que ele estava usando a canoa em seus passeios pelo lago”.

Eduardo Damasceno Camilher - Geologia - Turma de 62.   

Artigo publicado na Revista Brasil Mineral

Seção: Pelas Pedras do Caminho Mineral

Edição 199, Outubro de 2001.

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

ENCONTRADAS PLANTAS ORIGINAIS DO PRESÍDIO DA ILHA ANCHIETA

Durante sua recente pesquisa sobre a história da Ilha Anchieta, o pesquisador Peter Santos Németh teve grata surpresa ao deparar-se com os desenhos originais do famoso projeto de Ramos de Azevedo para construção do presídio, datado de 1907.


São ao todo 14 pranchas belíssimamente pintadas, em aquarela e bico de pena, dos prédios que abrigariam a então chamada Colonia Correccional do Porto das Palmas. O projeto detalha as fachadas e as plantas internas do Quartel, da Casa dos Internados, da Casa da Economia, da Casa da Guarda, da Casa do Director, da Escola, da Capella além de dois mapas da Ilha dos Porcos Grande, sendo um colorido com a localização dos futuros prédios.


As aquarelas estão em relativo bom estado de conservação mas necessitam de cuidados. Nos relata o pesquisador: "A beleza dos desenhos e sua importância histórica demandam a urgente restauração do material e uma posterior digitalização, para que possa ser manipulado virtualmente, preservando-o".

 
Sua pesquisa também tem contribuído para derrubar alguns mitos sobre a Ilha Anchieta, visto que alguns erros históricos vêm sendo perpetuados pela não checagem profunda das fontes de consulta. Um grande exemplo recorrente é o das denominações associadas ao território da Ilha através dos tempos. Nomes como Pó-Quâ, Tapera de Cunhambebe, e afirmações de que o local tenha sido o sítio da aldeia indígena visitada pelo Padre José de Anchieta, em meados do século 16, ainda carecem de comprovação científica.  Fato é, que desde 1506 a Ilha já era conhecida pelos navegadores espanhóis como Isla de los Puercos, por nela existirem muitos deles selvagens.
Para o pesquisador, a localização das plantas originais pode contribuir muito para um efetivo plano de restauro dos prédios hoje em ruínas. Projetos de restauro que vez por outra são anunciados pelos governos porém nunca realizados.


quarta-feira, 17 de outubro de 2012

CAPELA DE SANTA RITA - PRAIA DA ENSEADA

Pesquisando sobre a Praia da Enseada em Ubatuba descobrí em jornais datados de 10 de junho e 26 de agosto de 1962, publicação chamada O Atlântico, a história muito curiosa da construção da Capela de Santa Rita da Enseada. No texto do periódico do dia 10/06 encontramos:

"No dia 21 de janeiro último, com grande afluência de turistas, moradores de Ubatuba e praianos da Enseada, e das imediações, no local designado, isto é, na praça ampla que fica na parte mais edificada daquele bairro sob toldo de encerado, distintas senhoras e gentis senhoritas que na ocasião desfrutavam férias na Enseada, armaram e após, enfeitaram com palmas de flores, o altar em que seria celebrada missa alusiva ao lançamento da pedra fundamental da Capela. Frei Victorio Valentini, dinâmico vigário de Ubatuba e animador da construção, foi quem oficiou a cerimônia, falando em seguida, sobre as intenções da Comissão Executiva e sobre a necessidade de todos contribuirem para o importante intento. Em seguida dona Wanda Sarmento Florençano, em nome da Comissão Executiva, proferiu eloquente oração, referindo-se às Rosas de Santa Rita e ao finalizar, convidou a Exma Sra. dona Amália Sodero de Carvalho,(minha bisavó), dama de grandes méritos, que havia sido designada para ser a madrinha de honra da Capela, a colocar a pedra fundamental, juntamente com moedas, jornais e documentos assinados pelos presentes. Nessa oportunidade, dona Maria Ribeiro, antiga moradora da praia das Toninhas colocou junto como oferenda a Santa Rita uma linda rosa votiva. Foguetes espoucaram, o sino bimbalhou festivo e a banda musical de Ubatuba, proficientemente regida pelo maestro Herculano Barros Pinto, executou afinadíssima animado dobrado, assinalando o acontecimento. Em seguida, na residência do casal Wanda e Paulo Florençano, a todos os presentes, foi oferecida lauta mesa com café e bolos de fubá.
Após, no rancho "Meu Chamego", pertencente ao dr. Mário Mendes, (meu avô), improvisou-se um animado leilão de prendas, a maior parte delas angariadas por dona Amália Sodero de Carvalho, sendo pois, de iniciativa dessa ilustre senhora, as primeiras importâncias recolhidas pró-construção da Capela."

Outra curiosidade revelada é que o "plano da Capela de Santa Rita da Praia da Enseada foi gentilmente desenhado por Oswaldo Bratke, arquiteto sobejamente conhecido pelas notas de bom gosto, de originalidade e de soluções práticas que infunde à sua obra."

Oswaldo Bratke foi um dos maiores arquitetos brasileiros, entre seus projetos mais conhecidos estão a Residência Ciccilo Matarazzo em Ubatuba e a Residência Oscar Americano no morumbí em São Paulo. (1)

O Projeto original também previa ambulatório médico e escola anexos, (artesanato e prendas domésticas para moças - diurno e alfabetização para adultos - noturno) para a Enseada e as praias vizinhas e apartamento para sacerdotes em férias ou professores e médicos que tivessem necessidade de repouso.

Relata ainda o redator (não identificado), que Francisco Matarazzo Sobrinho (que à época era cogitado para candidato a prefeito de Ubatuba) doou a "vultosa cifra de Cr$ 250.000,00".

No jornal do dia 26-08 noticia-se que os 110 metros de alicerce foram concluidos em julho e que as copiosas chuvas da segunda quinzena das ferias de inverno impediram o leilão de prendas que seria transferido para as férias de janeiro próximo.



Para mim, que desde pequeno ouço essas histórias sobre os memoráveis leilões e quermesses feitas para angariar recursos para a "Igrejinha" realizados lá em casa (Rancho Meu Chamêgo), e também sobre a misteriosa caixa enterrada com moedas, nomes e jornais sob o chão da capela; encontrar um jornal com mais de 50 anos detalhando todos esses fatos, é algo extraordinário, quase sobrenatural.

Uma das muitas "lendas" ocorridas durante essas quermesses diz respeito à minha tia Lígia e meu tio avô o General Tricta, que vestidos como místicos do oriente com direito a véu, lenços e turbante, montaram uma tenda no Rancho Meu Chamêgo oferecendo serviço de vidência e predição de sorte. Resumindo, a tenda do clarividente Lipú de Mafú (alcunha adotada pelo meu espirituoso tio avô) e de sua bela odalisca assistente foi uma das mais requisitadas e suas previsões fizeram tanto sucesso ao ponto de que na temporada seguinte, muitas pessoas passavam lá em casa procurando o vidente Lipú de Mafú para uma nova consulta.
Em fevereiro de 2011, na "Igrejinha", mais uma lenda somou-se ao rol de histórias familiares, nela casei-me.
NOTA: Em janeiro de 2013, fiz cópias das reportagens, emoldurei em vidro e doei para os responsáveis da Capela para ficar exposta no salão da Igrejinha.
(1) http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_IC/index.cfm?fuseaction=artistas_biografia&cd_verbete=8717&cd_item=1&cd_idioma=28555

Aí estão: Lipú de Mafù e sua linda assitente. Praia da Enseada, julho de 1962.
Foto: Arquivo pessoal da família Carvalho Santos.



segunda-feira, 1 de outubro de 2012

TRADIÇÃO CAIÇARA - TRANSMISSÃO DO SABER



A MANUTENÇÃO E TRANSMISSÃO DO SABER TRADICIONAL CAIÇARA

A capacidade adaptativa das comunidades caiçaras a um ambiente marinho sujeito a bruscas mudanças e as relações entre cultura e natureza dentro de uma abordagem human-in-ecosyistem (BERKES et al., 2003:53), contribuem com a visão de que o conhecimento tradicional acumulado e transmitido oralmente pelos mais idosos e experientes são fundamentais para a manutenção desta capacidade adaptativa frente às grandes mudanças que muitas vezes podem ocorrer e se repetir em períodos cíclicos, sendo portanto fundamental a manutenção e reprodução destes saberes tradicionais entre as gerações, para que elas estejam preparadas no futuro.

Aprendizagem, ou enskilling, é um processo que pode ser descrito como a “educação da atenção”, deste modo anciãos criam contextos estruturados através dos quais o iniciante pode construir as suas próprias habilidades de percepção em relação ao meio ambiente total, biofísico e social.(...)O conhecimento do ambiente, nesta perspectiva, é “(...) não de um tipo formal, autorizado, transmissível em contextos fora aqueles de sua aplicação prática. Pelo contrário, baseia-se no sentimento, que consiste nas habilidades, sensibilidades e orientações que se desenvolveram através da longa experiência de conduzir a vida em um ambiente particular” (Ingold, 2000). (BERKES et al.,2003:68).
O vídeo a seguir retrata in loco como estas operações de transmissão de saber acontecem na prática diária  da atividade pesqueira artesanal. O link: http://www.youtube.com/playlist?list=PLBpXFzQ1-RlO0pNrEXFxmDI2p3eZW5xJ9 remete a uma série de 7 vídeos filmados na Praia da Enseada em Ubatuba - SP , que detalham como naturalmente acontece este processo didático tradicional.

Todos estes aspectos levantados por Davidson-Hunt e Berkes ainda contribuem para a formação dos conceitos  de identidade cultural  e sentido de lugar (BERKES et al., 2003:73) que são considerados associados às atividades práticas das pessoas, às percepções de um ecossistema, e às redes de trabalho relacionais que as pessoas constróem dentro deste ecossistema. Sendo portanto fundamental para os autores, incentivar e assegurar que as pessoas que estão “atentas à terra” sejam capazes de continuar a ganhar a vida em um ecossistema, como uma maneira eficaz para nutrir sistemas sócio-ecológicos rompendo com a dicotomia amplamente aceita da oposição entre subsistência e natureza.
Fontes:
           1- BERKES, F.; COLDING, J,; FOLKE C. (edit) (2003). Navigating social-ecological systems: building resilience for complexity and change. Cambridge: University Press.
2-NÉMETH. P. S.(2012). A tradição pesqueira caiçara da Ilha Anchieta em Ubatuba, São Paulo; os impactos da criação do parque estadual sobre a reprodução sociocultural.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

GIGANTE CANOA CUNHAMBEBE - ALMADA UBATUBA

Outra gigante monóxila de Ubatuba é a canoa caiçara Cunhambebe da Praia da Almada.(foto 1)
Feita de uma urucurana também no sertão do Ubatumirim pela família Neri Barbosa (vídeo), suas dimensões são inacreditáves 8,30 metros de comprimento por 1,45 metro de boca (proporção 5.7 bocas de comprimento).
De propriedade da família Teixeira de Oliveira, esta canoa fica protegida sob um grande carramanchão feito só para ela e mais duas outras canoas e vai para a água apenas em ocasiões especias. Aliás uma das outras duas canoas que fazem companhia para a Cunhambebe, chamada Nova Aliança, possui algo muito raro de se ver que é um pequeno convés na proa. Esta também é enorme medindo 8,55 metros por 1,19 metro de boca (proporção 7.2 bocas de comprimento) e este convés sugere que ela seja muito antiga. (Segundo o meu amigo Roberto, dono da Nova Aliança, ela tem aproximadamente 75 anos e fazia a ponte entre a Almada e a cidade de Ubatuba levando e trazendo as "quitandas" e moradores quando ainda não havia a estrada.)

 foto 1: Instituto Costa Brasilis

 foto 2: Roberto Teixeira de Oliveira

A foto acima mostra um raro momento da Cunhambebe matando a saudade da água salgada.
Podemos contar 13 remadores, (14 com o fotógrafo), comodamente instalados e aproveitando a remada. Nota-se que a Cunhambebe nem "sente" a carga de pouco mais de 1.1 tonelada. Essa é uma canoa verdadeiramente "cargueira" como fala o Caiçara e pode ser classificada na categoria de "batelão".
Um abraço a todos os amigos canoeiros da Praia da Almada.

Abaixo a Cunhambebe batendo mais um record em matéria de canoa: 17 embarcados!!
Foto tirada aproximadamente em 1997 antes dela receber a bordadura.




Fontes: 1 Acervo de Roberto Teixeira de Olivera.

             2 http://www.costabrasilis.org.br/projetos/canoas/CanoasFrame.html









quinta-feira, 13 de setembro de 2012

O CAIÇARA E A ETNOCIÊNCIA

Dia amanhecendo na Picinguaba e o "Seu Pú" (Benedito Correia da Silva), do alto de suas décadas de sabedoria, após um bom dia e um aperto de mão, regride no tempo e espaço levando-me junto na jornada.
Penetramos na Picinguaba de outrora, nomes de pesqueiros hoje quase esquecidos: cana do Elpídio, aguada, toca da velha, furado. Artes de pesca em desuso, relatos de pescarias memoráveis.
Um rol de nomes de pescadores do "tempo antigo" e suas aventuras.
Um tom de amargura também pelo descaso das autoridades com o "pescadô miúdo" que sofre com a pressão dos barcos grandes "de fora" que invadem a enseada em saques constantes.

Dito Pú, foto Peter Santos Németh.  


“(...)foi possível perceber que, embora por lógicas distintas, os pescadores detêm um conhecimento fundado em operações mentais semelhantes ao conhecimento científico formal mediante a observação, classificação e experimentação de suas práticas produtivas derivadas da inter-relação com o ambiente natural ao longo do tempo.
Assim, os saberes dos pescadores artesanais acumulado secularmente para fazer face aos imperativos da vida do mar – principalmente às desordens naturais – revelaram não só ser elemento mediador da inter-relação cultura e natureza, como condição sine qua non para a viabilidade da pesca artesanal em seus componentes materiais e imateriais. É mediante esse saber que os pescadores definem estratégias adaptativas às flutuações do ecossistema marítimo para assegurar a sua reprodução social no tempo. E, é nesse processo de adaptação inteligente diante das condições bioclimáticas e naturais, que esse sujeito social constrói o espaço marítimo como um espaço sociocultural próprio.” (CUNHA, 2008:5) 1

Obrigado Seu Pú, pela amizade generosa.

Mais informações:
http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,cade-o-peixe-que-estava-aqui,840556,0.htm

http://www.youtube.com/watch?v=kudJuC6M_-M&list=PL47A10ABFC600C883&index=3&feature=plpp_video

1- CUNHA, Lúcia Helena de Oliveira. Diálogo de saberes entre tradição e modernidade: ordens e desordens. 26ª. Reunião Brasileira de Antropologia 2008 Porto Seguro, Bahia, Brasil p. 18. Consulta na internet, endereço http://www.abant.org.br/conteudo/ANAIS/CD_Virtual_26_RBA/grupos_de_trabalho/trabalhos/GT%2021/lucia%20helena%20de%20oliveira%20cunha.pdf, em 20 de abril de 2012.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

O MODO DE FALAR CAIÇARA

Em 2010 pubiquei um pequeno dicionário com cerca de 1.400 palavras que compilei junto às comunidades caiçaras do Litoral Norte de São Paulo, principalmente as de Ubatuba. Junto com o dicionário foi feito um DVD com o o passo a passo da construção de uma Canoa Caiçara.
Chamei-o de Glossário Caiçara de Ubatuba. Seguem abaixo alguns trechos.


“A peculiaridade do falar caiçara não está só assentada na originalidade dos seus termos, mas, sobretudo, no gestual, na entonação da voz que acompanha o seu falar, na sua postura, nas nuanças do olhar.
O caiçara não apenas fala, ele fala e, ao mesmo tempo, representa.
O seu falar obedece a um ritual elaborado e desempenhado nos mínimos detalhes.
As palavras, quase sempre, são proferidas, ora escandindo na primeira sílaba, ora escandindo na última, produzindo variações sui generis na entonação da fala.
O falar do caiçara é um falar cantado, melódico e harmonioso, em sintonia com a natureza, fazendo contraponto com o marulho das ondas e a musicalidade do sussurro da brisa, numa suave canção de ninar...” (Enciclopédia Caiçara Volume II - Falares Caiçaras - Antonio Carlos Diegues e Paulo Fortes Filho).

NOTA
Esta pequena compilação surgiu, em sua maior parte, da convivência diária com a comunidade de pescadores tradicionais da Praia da Enseada em Ubatuba, litoral norte de São Paulo.

Este glossário nem de longe abrange ou pretende alcançar a totalidade do universo de expressões e palavras usadas no falar característico do povo Caiçara.

É apenas o resultado de curtos 7 anos de convivência íntima com alguns dos últimos guardiões da antiga tradição Caiçara local, tradição que hoje se detecta tão somente por este falar característico recheado de arcaísmos, palavras e expressões forjadas no linguajar ibérico e tupi, que a nova geração já não usa mais.   

É a tentativa de justamente preservar ao menos alguns ecos do “tempo antigo”, ainda que muito já se tenha perdido, a fim de registrar, preservar e recompor este modo de vida ancestral, perfeitamente independente em sua incomparável ligação simbiótica com o mar e a exuberante natureza do nosso litoral.

Arrelá!              Peter, o Alemão.   Praia da Enseada - Outono 2007
CAIÇARA
“Atingimos a caiçara, uma fortificação semelhante a uma cerca de jardim, feita de estacas grossas e longas posicionadas em torno do conjunto de cabanas. É usada pra evitar os ataques dos inimigos”.

(Trecho de: “A verdadeira história dos selvagens, nus e selvagens devoradores de homens, 1548 – 1555”; de Hans Staden, 1557;  tradução Pedro Süssekind, livro 1). Ilustração Vernhagen: não está publicada no Glossário.

AGORA DISPONÍVEL ON-LINE, CLIQUE AQUI

A  
À bem dizer – expressão usada para deixar uma opinião bem clara, significando, melhor dizendo, na verdade, realmente; “À bem dizer, a culpa foi minha”. 

A estrela mudou de lugar – diz-se de estrela-cadente.

À garné – de qualquer jeito, espalhado; “Não tem onde por; põe à garné”.

À la sueste – tipo de vento constante que sopra de sueste quase sempre trazendo chuva fina constante.  

A maré torrô – diz-se de maré muito seca.

À rodo – expressão que significa muita quantidade, “Deu espada à rodo”.

À rola – diz-se do barco deixado à deriva, ao sabor da maré; “Pescamos à rola”; também significa muita quantidade; “Tem corvina à rola.”

À sobrepau – modo de se assar a tainha, direto na brasa sobre galhos de goiabeira verdes ou talos de folha de bananeira, o mesmo que moquém.

Às canha – ao contrário, com a mão canhota.

Abestalhado - diz-se da pessoa que não se integra ao grupo, pessoa ruim, um besta.

Abotoar a rede – ato de se prender uma rede a outra ou uma rede ao rodo de cerco, através do botão de rede.

Abracar – o mesmo que abarcar, abranger, incluir; “Se abraquemo com aquilo tudo!”.       

Abricó – pequeno fruto do abricoeiro, bem redondo e amarelo, usado como ceva para caçar pacas.

Abricoeiro - árvore de médio porte muito comum no litoral, cujos ramos com folhas nas festas de junho são lançados numa fogueira produzindo sonoros estalos.

Abrir água – expressão que significa sair, afastar-se, ir embora; “O cação sumiu, então a tainha abriu água”.

Aceiro – a faixa de terra limpa de mato, feita para impedir que a frente de fogo avance.

Acoitar – o mesmo que hospedar, receber visita.

Acostar – o mesmo que encalhar na praia.

Acostumar com a rede – diz-se do cardume que, no cerco à tróia, se acostuma com o tamanho e posição da rede e não vai na malha; “Tem que bater a pedra logo se não o peixe acostuma com a rede, fica rodando e não malha”. 

Adonde – o mesmo que onde.

Adormentar – o mesmo que colocar um bordado numa canoa; “Coloquei um dormentozinho na canoa“.

Adufe – instrumento musical, o mesmo que pandeiro.

Adular – o mesmo que fazer carinho; “Tá adulando”.

Afeiçoar – talhar ou esculpir algo até o formato desejado, “Afeiçoei a madeira”.

Afichar – apertar, prender; “Tem que apertar bem se não, não aficha o nó”.

Afogar – o mesmo que encher d’água; “A canoa já tava afogando”.

Água leste – correnteza do mar que corre rumo ao leste, também “águas a leste”.

Água sul – correnteza do mar que corre rumo ao sul, também “águas ao sul”.

Aguagem grossa - mudança da cor e textura da superfície d’água ao tremer pela agitação de um cardume de peixe, indica o local e o tamanho do cardume; “Olha a aguagem grossa que vai lá”.

Agulha de palombá – agulha grande de ferro, meio arcada, usada para fechar o saco de lona em que se transportava o peixe seco. 

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

AS FERRAMENTAS DO OFÍCIO DE MESTRE CANOEIRO


AS FERRAMENTAS DO OFÍCIO

As ferramentas utilizadas no feitio de uma canoa caiçara são as mais simples e fundamentais da carpintaria, com exceção da motosserra e das ferramentas elétricas, que apareceram para facilitar o trabalho e diminuir o tempo de feitio da canoa, podendo encurtar de um mês para até uma semana, inclusive barateando seu custo de produção. São utilizadas basicamente o machado, o facão, o enxó goiva, o enxó chato, a linha de bater, o prumo, o nível de água, a verruma, o arco de pua, o martelo, o serrote, o formão chato, o formão goiva, as limas, a motosserra, a plaina elétrica e a lixadeira elétrica.
No entanto é o enxó (fig. 33), a ferramenta símbolo do ofício de confeccionar canoas. Como visto anteriormente o enxó é uma das primeiras ferramentas inventadas pelo homem, hoje as lascas de pedra ou conchas foram substituídas pela lâmina de metal. Quase sempre o enxó é forjado pelo próprio mestre canoeiro, que molda a ferramenta de acordo com o seu estilo de trabalhar, e tipo de uso. Vários tipos de enxó (fig. 33.1) são confeccionados para cada etapa do feitio da canoa, os pesados e de cabo longo para cavucar, os leves e de cabo curto para os detalhes, os chatos para aplainar, os “goivados” para escavar e até vincados para fazer a linha do “beque da proa”.





 33.1

Trecho extraído do Dossiê Canoa Caiçara, autor Peter Santos Németh.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

O TRAQUETE


A propulsão à vela foi uma das primeiras adaptações feitas pelos índios em suas canoas, imitando esta tecnologia trazida pelos primeiros colonizadores.(1)

 O traquete, como é genericamente chamado pelos caiçaras o conjunto de mastro e velas para a navegação “à pano”, hoje quase já não se usa mais.

 Foto de um traquete tradicional.
Herança dos heróicos tempos das grandes canoas de voga do início do século XX (fig. 41)(2). As vogas eram especificamente canoas de transporte de carga que levavam mercadorias das comunidades caiçaras isoladas economicamente até os grandes portos da época. Podiam facilmente transportar 6.700 litros de aguardente, mais até 08 passageiros, e ainda os remeiros que podiam ser de 04 até 08 contando com o “patrão” que era o mestre comandante da voga.
 fig 41

A canoa de voga é o tipo de canoa mais citado por diversos autores, em muitos relatos e estudos de várias épocas(3).

Esta recorrência talvez se deva não só ao gigantismo de suas dimensões, mais de 20 metros de comprimento por 2,2 metros de largura, que muito impressionavam os cronistas por serem esculpidas em um só tronco de árvore, mas também pela importância vital das vogas, já que eram os únicos meios de ligação disponíveis entre os caiçaras e os grandes centros, levando e trazendo mercadorias e “quitandas”, garantindo a sobrevivência das comunidades.

Estas viagens em meio a ventos e tempestades criaram histórias de eventos fantásticos e heroicos que atravessaram gerações até os dias de hoje.

Os panos(4) permitiam encurtar as viagens com o vento a favor. Com o vento contra, as mezenas,(vela latina colocada a popa), entrava em ação, sendo responsável pelo rumo da canoa em ventos laterais. Quando não havia vento, então entravam em ação os remos de voga (fig. 42).

Até hoje o nome “canoa de voga” está associado e algumas vezes confunde a tipificação da embarcação que neste trabalho definimos como Canoa Caiçara.

 fig.42 (Verschleisser-1990)


Trecho extraído do Dossiê Canoa Caiçara, para registro de bem cultural imaterial junto ao IPHAN.



(1) Verschleisser 1990:89; Maldonado 2001:86 e Museu Nacional do Mar em: http://www.museunacionaldomar.com.br/estrutura/canoas.htm.
(2) Comissão geographica geologica 2ª ed. 1919, capa Enc. Caiçara vol IV 2005 NUPAUB-USP.
(3) John Mawe 1944. Schmidt 1947, Mussolini 1980, França 1951, Maldonado 2001, Klink 1983, Verschleisser 1990, Oliveira 1983, Denadai 2009, Noffs 2004, Diegues 2004. 

(4)Traquete e Mezena, assim chamadas as velas das vogas de dois mastros, o primeiro, vela “quadrada” de formato retangular, armada no banco da proa, e a segunda, vela “latina” de formato triangular (fig. 41), armada no banco do meio.
Fonte sobre mastreação: sp modelismo.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

CORRIDA DE CANOAS ENSEADA 2012 - UBATUBA

Finalmente o sol deu as caras durante a 3a Corrida de Canoas Pescadores da Enseada.
Após dois anos consecutivos de muita chuva, a festa ficou completa.
Foram 6 provas nas categorias masculino, feminina e aprendiz e mais de 40 inscritos.
Tivemos o apoio da Pousada Maanaim que ofereceu um delicioso almoço aos remadores, do Projeto Tamar-Ubatuba que promoveu a soltura de tartarugas e premiou os ganhadores, prefeitura de Ubatuba através da Secretaria de pesca e obras, Fundart, pousada Maravista e Farmarys manipulação que ofereceu os Biotônicos.
Este ano foram homenageados o Sr. Élvio Damásio, caiçara tradicional e o narrador oficial das corridas de canoas de Ubatuba, o Sr. Alaor Guedes Sampaio, motorista responsável pelo caminhão que transporta as canoas das comunidades até o local da corrida e o Sr. Roberto Prochaska, que completou 70 anos "de praia".
Foram também comercializados mexilhões produzidos pelos caiçaras locais em suas fazendas marinhas de modo sustentável a preços promocionais.

Assista mais em:  http://youtu.be/MkKJD9qhsgY
                             http://youtu.be/GUU3X2hm_8o



                                                                                                                                 foto: Zsolt Németh


Sr. Elder dos Santos Giraud, caiçara e maricultor manipulando os mexilhões de cultivo sustentáveis.
 foto: Peter Santos Németh

foto: Peter Santos Németh


Sr. Alaor, sendo homenageado.
 foto: Lilian Prochaska


Sr. Élvio recebendo os agradecimentos de todos os remadores.
 foto: Lilian Prochaska


quinta-feira, 5 de julho de 2012

CANOA CAIÇARA "MARIA COMPRIDA" COMEMORA 40 ANOS

Dia 1º de julho último, um domingo de corrida de canoas da 89ª Festa de São Pedro Pescador em Ubatuba, a canoa Maria Comprida, construída de um tronco de louro pelos maiores mestres canoeiros do nosso litoral, o Sr. Agrício Néri Barbosa, e seu filho Manoel (Baéco) em 1972, voltou a navegar suas linhas graciosas em comemoração dos seus 40 anos de existência.
Para quem não conhece sua história,  ela  foi construída especialmente para as corridas de canoas entre as cidades de Ubatuba e São Sebastião, na categoria cinco remadores. A árvore que originou a famosa canoa, foi encontrada na curva da batata na rodovia Oswaldo Cruz que liga Taubaté à Ubatuba, pelo caçador Vergílio Alexandre. O acabamento e a pintura da canoa foram feitos pelo Sr. Dito Balbino, do bairro da Estufa, ela tem 9,20 metros de comprimento, apenas 82 cm de "boca", pesando aproximadamente 200 quilos.

Na comemoração de seus 40 anos, a canoa foi conduzida por remadores representando as praias de ubatuba: Joanilson da Praia da Justa, "Xico" Parú da Praia da Enseada, Dionísio e Nelsinho da Barra Seca, Seu Domingos da Praia das Sete Fontes e Marta do Centro.
Assista em: https://www.youtube.com/watch?v=4543Vbb3Bm8&feature=plcp


                                                            foto: Cristina Prochaska

Para esta ocasião a Maria Comprida foi totalmente restaurada pelo canoeiro Renato Bueno, filho do Seu Domingos da Sete Fontes, que colocou vários pedaços novos em seu bojo, esculpidos no enxó e colados com araltec e serragem,  numa técnica chamada sobrenício.

                                                        foto: Lilian Prochaska Németh

Em 1973, no dia 1º de junho, pela primeira vez aconteceu a "Jornada Marítima Ubatuba-Santos", uma prova com percurso longo, com cinco remadores, porém sem caráter de competição. Mais uma vez, o grande incentivador foi o professor Joaquim Lauro. Comandada por Artur Alexandrino dos Santos, a Maria Comprida foi rasgando as águas com os remos de Carlos Alves de Morais (Carrinho), João Correa Leite (Jango), Antonio Barroso Filho (Barrosinho) e Nilo Vieira, rumo à Santos. Os cinco remadores faziam parte do Esporte Clube Itaguá.
Percurso, de aproximadamente 215 quilômetros em linha reta, idealizado para lembrar um fato da história do Brasil, a Paz de Iperoig, assinada em 14 de setembro de 1563. Antes de ser estabelecida a paz entre os índios e os portugueses, os índios de nossa região se uniram para combater os portugueses no que foi denominado "Confederação dos Tamoios", quando então, comandados por Cunhambebe, se deslocavam principalmente até Bertioga nesse tipo de canoa. Em comemoração aos 410 anos da Paz de Iperoig, foi realizada a viagem da canoa Maria Comprida de Ubatuba a Santos.

A saída da Maria Comprida foi no dia 1º de junho, às 4h 45min, tripulada pelos cinco remadores, em frente à Capela Nossa Senhora das Dores no Itaguá, chegando em São Sebastião às 13h05 do mesmo dia. De lá saíram às 04h15, chegando em Bertioga às 14h45 do dia 2 de junho. De Bertioga continuaram a viagem, saindo às 06h30 e chegando finalmente à Santos às 10h15 do dia 3 de junho, atracando na Ponta da Praia, em frente ao Clube de Regatas Saldanha da Gama.

Em 1975, a Maria Comprida volta ao mar para fazer a trajetória Ubatuba-Parati, cidade sul fluminense, com o objetivo de incentivar remadores da região para participarem das corridas de canoa realizadas em Ubatuba. Tripulada por Artur, Carrinho, Salvador Mesquita dos Santos, Barrosinho e João Grande, Maria Comprida deixou a cidade às 05h35 e às 17h15 estava atracando em um pequeno porto ao lado da Igreja Matriz de Parati.

Anos mais tarde, o Tamoios Iate Clube adquiriu a canoa, já bastante danificada, e posteriormente o Comodoro José de Magalhães Netto cedeu a Maria Comprida à FUNDART. Em agosto de 1997, a canoa finalmente foi restaurada e no dia 15 do mesmo mês a doação foi oficializada, ficando a Maria Comprida em exposição no Centro de Informações Turísticas na Avenida Iperoig. Nesse mesmo dia, os remadores foram homenageados pela FUNDART e pela Prefeitura Municipal de Ubatuba.

QUE VENHAM MAIS 40 ANOS DE HISTÓRIA!!

fonte: http://www.ubaweb.com/ubatuba/esportes/index_esp_masc.php?espo=canoamc, acesso em 3/07/12

Atualizado em 27 de julho de 2016:
Completando sua história, a canoa Maria Comprida conduziu a tocha olímpica nas águas da Enseada de Ubatuba. Empunhada na proa pelo Nelson da Barra Seca, outros três remadores e uma remadora ubatubanos, entre eles Seu Domingos das Sete Fontes e Edinho do Ubatumirim na popa.
Foto: Irismar Clarindo Silva Clarindo
Foto: Luiz Correia



quarta-feira, 27 de junho de 2012

SER CAIÇARA: UMA CIÊNCIA ECOLÓGICA.


As práticas tradicionais são hoje reconhecidas por parte da comunidade científica como sustentáveis e de certo modo possuidoras de valor científico.

Para Sanches, dois dos aspectos que fundamentam os pressupostos políticos-ambientais a favor da permanência de determinados grupos em áreas protegidas são: ... [o] conhecimento inerente de suas experiências ancestrais sobre a ecologia das espécies e tipos de tecnologia apropriada que lhes permitiram se adaptar e reproduzir-se cultural e materialmente;... pela existência de uma relação de equilíbrio entre as práticas de manejo e o meio ambiente e de mecanismos culturais conservacionistas que impediriam a depleção dos recursos naturais em níveis comprometedores à manutenção dos mesmos. As populações tradicionais seriam, portanto, responsáveis inclusive pela preservação da biodiversidade.(1997: 27) (ADAMS, 2000:161).


Sobre este aspecto, Lúcia Helena Cunha postulou:

A importância das sociedades tradicionais aparece também no pensamento de Vieira (1995, p. 304) afirmando que suas lições nos processos de apropriação, uso e gestão de recursos renováveis litorâneos, podem se constituir em pontos de referências relevantes na construção da proposta de gestão patrimonial. Para ele, [...] se o respeito pelo uso sustentado dos recursos tornar-se algo compartilhado pela comunidade, aumenta as chances de êxito de formas de gestão capazes de favorecer o alcance simultâneo de uma distribuição mais eqüitativa da riqueza gerada e de aumento das margens de sustentabilidade dos recursos da comunidade”. Nessa direção, preocupado com os processos que tendem a desarticular as formas tradicionais de organização da pesca artesanal, esse autor coloca que: “em termos concretos caberia empreender, num primeiro momento, a diversificação do potencial dos recursos existentes em cada micro-região litorânea, em sintonia com a valorização de formas tradicionais detida pelo pescador” (Vieira, 1995, p. 306-312). Assim, esse conhecimento ungido de diálogos e duelos com os próprios movimentos da natureza deve ser atualizado, restaurado e revigorado para a sua própria permanência no tempo; em particular em face da premência de novos paradigmas de uso sustentável dos recursos naturais que, sem abstrair a importância do conhecimento tradicional das comunidades pesqueiras nas localidades pesquisadas, deve colocar em outro patamar as suas condições de vida. (CUNHA, 2008:10).

BIBLIOGRAFIA:
ADAMS, Cristina. “As populações caiçaras e o mito do bom selvagem: a necessidade de uma nova abordagem interdisciplinar”. Revista de Antropologia, vol.43, n.1, São Paulo, 2000. Consulta na internet, endereço http://www.scielo.br/pdf/ra/v43n1/v43n1a04.pdf, em 20 de abril de 2012
CUNHA, Lúcia Helena de Oliveira. Diálogo de saberes entre tradição e modernidade: ordens e desordens. 26ª. Reunião Brasileira de Antropologia 2008 Porto Seguro, Bahia, Brasil p. 18. Consulta na internet, endereço http://www.abant.org.br/conteudo/ANAIS/CD_Virtual_26_RBA/grupos_de_trabalho/trabalhos/GT%2021/lucia%20helena%20de%20oliveira%20cunha.pdf, em 20 de abril de 2012.