quarta-feira, 31 de maio de 2017

MAPA DA TAINHA

Fonte: https://www.facebook.com/mapadatainha/
"A ideia deste projeto surgiu em 2016 dentro do Grupo de Estudos em Socioantropologia Marítima do NUPAUB-USP que coordena o Mapa da Tainha. A proposta deste mapeamento é registrar de modo colaborativo a captura da tainha (Mugil liza) pela pesca artesanal durante o período da safra de 2017. O objetivo principal é construir um banco de dados e imagens georeferenciados aberto a consulta de pescadores, pesquisadores e gestores públicos interessados em conhecer melhor a migração e a organização da pesca artesanal da tainha.
Acreditamos que o auto-monitoramento é instrumento fundamental para qualificar a interlocução dos pescadores nas instâncias gestoras responsáveis pela formulação de Políticas Públicas voltadas à pesca, à proteção ambiental e ao reconhecimento territorial de comunidades tradicionais. Importância que ganha destaque no atual contexto de desarticulação administrativa, restrição orçamentária e priorização de interesses empresariais, que colocam em risco iniciativas de ordenamento pesqueiro, como o processo de implementação das Diretrizes da FAO para a Pesca Artesanal no Brasil, e especificamente das discussões em torno do processo de formulação do Plano de Gestão para o Uso Sustentável da Tainha nas Regiões Sudeste e Sul do Brasil.
O Mapa da Tainha foi concebido para ser uma plataforma aberta, elaborada a partir da colaboração de pescadores e pesquisadores diretamente envolvidos com a pesca artesanal, com objetivo de sistematizar dados e informações a respeito do comportamento dos cardumes e das capturas realizadas pela pesca artesanal. Ampliando o conhecimento sobre a espécie e a atividade, subsidiando o movimento dos pescadores e apontando demandas e horizontes para a pesquisa acadêmica.
Para tanto convidamos aos interessados a colaborar enviando informações sobre a captura nas localidades, informando data e hora da captura - número de lanços se possível -, quantidade capturada, além de fotografias e vídeos."
Acesse mais informações sobre o Projeto em: http://nupaub.fflch.usp.br/sites/nupaub.fflch.usp.br/files/Mapeamento-colaborativo-da-tainha%20Nupaub.pdf
Acesse nossa Política de Privacidade em: http://nupaub.fflch.usp.br/node/19
Acesse nosso Mapa da Tainha em:
https://drive.google.com/open?id=1AtqcXXTHSxxiOqp-AvO7iyyd494&usp=sharing
Conheça nosso Formulário de Reporte de Captura em: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSe4ozTZPfImbe260rmff5wedg8NceuiWR59JtyigO7UQo7hXg/viewform?usp=sf_link


Praia do Gravatá, Florianópolis, SC. Foto: Facebook

sábado, 8 de abril de 2017

THE MYTH OF UNTAMED NATURE IN THE BRAZILIAN RAINFOREST

Existe uma versão em inglês do "bestseller" do Prof. Antonio Carlos Diegues, O Mito Moderno da Natureza Intocada. Esta edição de 1998 está disponível em pdf (TEXTO COMPLETO) no site do NUPAUB-USP. Segue o sumário em inglês.


 SUMMARY (COMPLETE BOOK)
Among some Brazilian conservationists and Governmental
Agencies, such as IBAMA (Brazilian Institute for Environment), there
is still the concept that protected areas (National Parks, Ecological
Stations) should be empty spaces, with no human dwellers.
According to the existing law, the presence of any human group,
traditional or not, is a threat to conservation and therefore, traditional
communities living in areas before the establishment of the
restrictive protected areas should be expelled. It is known however
that the traditional communities (mainly artisanal fishermen,
riverine and extractive groups) have lived for long time and due to
their type of livelihood are, to a large extent, responsible for the
conservation of the area. In many cases, the expulsion of these
groups has induced the arrival of powerful economic groups such
as sawmill processors, land speculators that are responsible for
the degradation of protected areas.
In some cases, after the transfer of the traditional population to
the surrounding regions, the protected area is considered to belong
the government environmental authorities and not to the original
dwellers. In this case, very often, the expelled traditional groups
also start predatory practices. In the cases these communities have
not been officially expelled, the constraints on the use of natural
resources are so restrictive that part of the population migrates in
order to make their living elsewhere.
In order to understand the cause of this unjust treatment against
traditional populations it is important to understand the origins of
the North-American conservationism concerning the creation of
national parks in the late 19th century, when the Yellowstone Park
was created. These ideas have deeply influenced the establishment
of national parks in Brazil.
In the second half of the 19th century, industrialization and
urbanization in U.S.A. were an advanced process, and colonization
was going on in the western regions. However, in that period there
were vast empty or wild areas. Conservationists, like Muir, Thoreau,
Marsh were influential in putting aside these areas for recreation
and admiration of natural beauty by urban population. This
ideology of “wilderness” considered that there is an inverse
relationship between human action and the well-being of the natural
environment. The natural environment and the urban world
were viewed as enemies. In this context, mountains and forested
regions and related wildlife were considered as wilderness, an
area enhanced and maintained in the absence of people. There
areas were seen as pristine environments, similar to those that
existed before human interventions. Very few north-American
conservationists considered that indians were part of the
“wilderness”. George Catlin was an exception and suggested that
not only the grazing lands but also the buffaloes and the indians
should be protected.
These ideas have deeply influenced the first Brazilian
conservationists. Vast areas were considered “empty” and “wild”,
although most of them were sparsely populated by traditional
communities of small scale fishermen, shifting cultivators, extractive
groups. These human groups were not so common in the areas
proposed as national parks in the US. Very often parts of the tropical
forests in Brazil were and in some case still are maintained in a
“wild” state because of the type of livelihood of the traditional
population that need to use the natural resources in a wise way in
order to survive. However, because of imported conservationist ideas
these traditional human groups should be transferred, by law, from
the land their ancestors have inhabited for a long time. Recent
studies undertaken by IUCN (Amend, 1992) have shown that only
14% of the national parks in Latin America are inhabited and
around 50% of them have traditional dwellers (small farmers,
artisanal fishermen). According to the same study inside or around
80% of the Brazilian national parks there are human communities
that use natural resources. The NUPAUB/USP — Research Center
on Human Populations and Wetlands in Brazil is undergoing an
overall survey on traditional communities and protected areas in
the Atlantic Forest. In the first phase, four states (São Paulo, Paraná,
Rio de Janeiro and Espírito Santo) are studied. Only in São Paulo
in 40% of the parks there is population (traditional or not) living
inside the protected areas.
Conservationist ideas concerning the role of traditional
populations have evolved, as it can be seen from the various
international meetings of IUCN — World Conservation Union in
the last 20 years. Many Brazilian conservationists however opposed
any change concerning the need for maintaining traditional
population in their habitat. Since the IUCN Meeting in Delhi and
particularly in the IV International Congress on National Parks and
Protected Areas, in Caracas (1992), called Peoples and Parks, the
positive role of traditional population in national parks
conservation has been recognized. Deep knowledge of the
ecosystem, long-standing sustainable management practices,
dependence on the use of natural resources, ancestral territorial
rights were recognized as important arguments to maintain and
associate traditional communities with protected areas management.
Recent studies (Balée, 1988; Gomez-Pompa, 1971, 1972; Posey,
1987; Brown, 1992) have shown the role of the traditional
communities (indians, small-scale fishermen, traditional peasants)
in conserving flora biodiversity in the tropical forests. These
researchers claim that it is important to take into consideration the
knowledge and expertise of these populations in conserving
biodiversity. These studies are relevant as today conservation of
biodiversity has become one of the most important functions of the
protected areas.
The acceptance of the presence and awareness of the contribution
of traditional population to national parks conservation is growing
among conservationists and researchers in Brazil, in spite of the
fierce opposition of some governmental and non-governmental
sectors. The creation of the extractive reserves, result of the struggle
of the rubber-tappers (seringueiros) is an important step to the
recognition of the role of the traditional communities. Other
categories involving the contribution of traditional population
should also be added to the existing protected area system managed
by IBAMA. NUPAUB/USP is proposing a new category entitled:
Ecological and Cultural Reserve as a Strategy to Protect both Biological
and Cultural Diversity.
A new system of protected areas (Sistema Nacional de Unidades
de Conservação) is being proposed but unfortunately this
discussion is restricted to narrow conservationist circles. In the
first proposal made by the IBAMA there is barely a place for the
traditional population in the system, and this should be changed.
The new system is an important issue and should not be handled
only by a few conservationist agencies. It should be an issue of
interest to be thoroughly discussed within the Brazilian civil society.

You may also likeAncient peoples shaped the Amazon rainforest. Trees domesticated by pre-Columbian peoples remain more common in forests near ancient settlements.

quarta-feira, 22 de março de 2017

A PESCA EM UBATUBA 1974, Estudo Sócio Econômico.

Interessante resgatar este documento que apresenta "subsídios interessantes a respeito da evolução da produção pesqueira e das técnicas de captura, das condições de comercialização, das relações de trabalho e participação social".
Embora seja um documento editado pela SUDELPA, a maior parte dos dados apresentados foram coletados pelo Prof. Antonio Carlos Sant'Ana Diegues entre o final dos anos 1960 e o início dos anos 1970 em viagens de campo feitas em Ubatuba.
O que torna este estudo especial é que ele compõe um quadro da atividade pesqueira de Ubatuba em uma época de sensíveis mudanças socioeconômicas e culturais que impactaram fortemente a região. A abordagem do Prof. Diegues revela um panorama completo da percepção dos pescadores sobre questões como o impacto da abertura da BR e outros aspectos relevantes tais como: Histórico da atividade pesqueira em Ubatuba,  Produção por Espécie em Ubatuba, Valor da Produção,  Distribuição dos Pescadores por Praia, Tecnologia e Produção, Participação Social,  Dificuldade e Aspirações, Quadro de produtividade do cerco flutuante, etc.
Tudo isso permite um verdadeiro mergulho na atividade pesqueira de Ubatuba do início dos anos 1970 fornecendo valiosos dados que nos permite avaliar as mudanças e as não mudanças que ocorrem nos dias atuais, meio século depois.

Abaixo um trecho do TEXTO COMPLETO de "A PESCA EM UBATUBA, estudo sócio econômico", Antonio Carlos Sant'Ana Diegues, SUDELPA, 1974. 

"Por outro lado, o contato maior do embarcado com os centros urbanos maiores como Santos e Rio de Janeiro faz com que ele vá absorvendo valores urbanos que se manifestam inicialmente na maneira de se comportar, no modo bizarro de se vestir imitando os jovens da cidade, etc. Nas praias como Picinguaba, no "claro" pode-se observar os jovens embarcados trajando camisas estampadas, calças justas e usando cabelo comprido, fenômeno que não se encontra nos artesanais das praias geograficamente mais isoladas.

Um outro sistema de vinculação com as atividades agrícolas é o uso ou não do forno de fazer farinha de mandioca. Enquanto que 29,5% dos artesanais afirmavam ter o forno, somente 15.5% dos industriais o possuíam. Dentro das sub-categorias a diferenciação é até mais significativa, pois entre os artesanais "donos dos aparelhos de pesca" a porcentagem se elevava a 37.1% enquanto que para os camaradas, não passava de 12.5%. Evidentemente a subcategoria dos mestres de barco é a que mais se identifica com a pesca: nenhum deles exerce outra atividade paralela e não tem forno de farinha.

Em termos de praias é interessante se observar, que a atividade agrícola exercida conjuntamente com a pesca pelos artesanais é mais presente em praias como Ubatumirim, Camburi, ao norte do município. Aliás é Ubatumirim que possui o maior número de agricultores nessa parte norte do município e eles são fornecedores de farinha de mandioca para Picinguaba, núcleo agora mais especializado na pesca da sardinha. Já nas praias mais próximas à cidade as atividades complementares não são agrícolas e sim do ramo de serviços (construções civis, biscates, etc.) como é o caso do Lázaro, Enseada e Maranduba.

Quanto a algumas características gerais da população de pescadores é desnecessário se afirmar que vivendo em sua grande maioria em situação de extrema marginalização, pois seus rendimentos em geral só lhes permitem a sobrevivência, os pescadores apresentam baixos índices de alfabetização".

terça-feira, 21 de março de 2017

A ineficiente regulação do Estado e a questão do "Respeito".

O trecho que reproduzo a seguir é o item 5 da dissertação de mestrado que concluí no ano de 2016. Trazendo para o debate os vários pontos que precisam ser discutidos de forma honesta e realista para viabilizar a gestão eficaz e com justiça social do território costeiro do litoral norte de São Paulo.

5- CONSIDERAÇÕES FINAIS 
A complexidade do universo abordado por esta dissertação e a limitada formação deste pesquisador não permitiram que nossa investigação esgotasse o tema, mesmo em se tratando dos aspectos relativos à atuação de poucos pescadores sobre um território próprio tão específico.
Uma característica interessante do território pesquisado é que ele representa um microcosmo reunindo todas as características especiais necessárias para o desenvolvimento de pesquisas científicas, sobre as principais atividades causadoras dos impactos ambientais mais expressivos que hoje ocorrem em todo o litoral norte de São Paulo e os potenciais conflitos socioecológicos advindos destas atividades. Por exemplo, existem ao redor da Enseada do Flamengo:
1- um emissário submarino, operado irregularmente pela SABESP há mais de 30 anos, despejando esgoto e cloro diuturnamente a apenas 70 metros da areia da praia;
2- uma das maiores concentrações de leitos para aluguel de temporada de Ubatuba, quiosques e restaurantes, com baixíssimo índice de coleta e tratamento de esgoto;
3- o maior polo náutico da região com dezenas de marinas e garagens náuticas, causando o tráfego intenso de centenas de embarcações dentro de “UCs” federais e estaduais;
4- ainda, uma última península verde, o Morro da Ponta do Espia, local de antigas roças comunitárias e casinhas caiçaras; muitos pesqueiros tradicionais, ruínas, pomares ancestrais, fontes, olhos d’água, riachos e “praias virgens”. Este morro constitui zona de amortecimento por fazer “divisa” com o Parque Estadual da Ilha Anchieta e com a Estação Ecológica Tupinambás, no entanto, está hoje prestes a se tornar mais um resort de luxo, condomínio fechado para deleite do lobby especulativo imobiliário local;
5- uma “área preferencial” aquícola com várias fazendas marinhas familiares de baixo impacto (2 mil m², sem a utilização de arraçoamento), que contribuem para atrair, abrigar e fomentar a reprodução e dispersão (spill out) de uma grande variedade de organismos marinhos que nestes cultivos ocorrem naturalmente;
6- uma base de operações do Instituto Oceanográfico da USP, um centro de excelência em pesquisa marinha;
7- e desde 2004, uma associação de pescadores e maricultores locais, a Associação Pescadores da Enseada (APE), que costuma fazer a ponte de ligação entre pesquisadores e a comunidade tradicional local, facilitando muito o contato inicial para a troca de informações e desenvolvimento de pesquisas de campo.
Isto posto, concluímos que a gradativa perda dos valores tradicionais que garantem através do “segredo” o acesso restrito e controlado aos pesqueiros e seus recursos, somada à ingerência ou à incapacidade técnica e operacional dos órgãos governamentais responsáveis pela gestão e regulação destes recursos naturais, pode levar ao que Hardin chamou de A tragédia dos comuns. Desse modo, quando o espaço-recurso que é de todos, passa a ser de ninguém, pela ausência de mecanismos externos oficiais ou tradicionais de regulação, desde que ambos fundamentados no “respeito”, passa a imperar o estado de anomia, do “se eu não matar, outro vem e mata[1], processo que acelera a degradação do recurso pesqueiro e a falência dos valores comunitários locais.    
Portanto, havendo comprovação sob a ótica do direito consuetudinário de prática tradicional reiterada e constante dentro desses territórios pesqueiros estudados, automaticamente estará identificado o PHT que atesta ser esta, e não outra comunidade caiçara, a ancestral possuidora do “direito real de uso” e gestão desses espaços geográficos específicos, imprescindíveis para a reprodução material, simbólica e sociocultural do próprio grupo de pescadores locais.
Observando os temas relacionados nesse estudo e nos debruçando sobre a análise dos autores consultados e dos dados de campo obtidos, percebemos a importância que a noção do “respeito” ocupa dentro do sistema sociocultural das comunidades tradicionais de pescadores artesanais costeiros. Podemos notar que a principal regra tácita do “respeito” adotada na região estudada é a de “chegar primeiro”.
Também outra condição essencial para que um pescador alcance o “respeito” recíproco atingindo a posição de “mestre” dentro da hierarquia social e simbólica da comunidade é o grau de conhecimento, ou o saber-fazer próprio acumulado acerca dos territórios pesqueiros; das artes de pesca; do habitat das espécies recorrentes; das épocas de safra; da previsão meteorológica do Tempo; de sua capacidade pessoal física e artística, além da facilidade didática em retransmitir esses conhecimentos tradicionais para os aprendizes. Esse corpo de saberes, repositório de habilidades especiais ou “mestrança”, podem ser examinados, avaliados e aprovados socialmente pela prática da faina pesqueira diária e pelo sucesso das pescarias.
Como visto anteriormente, os mestres por sua autoridade coletivamente reconhecida são os naturais detentores do PHT que comporta todo o regramento cultural responsável pela construção, interpretação, gestão, manejo e uso dos territórios pesqueiros da própria comunidade local.
Desse modo obtemos pistas que indicam o porquê das instituições governamentais falharem em alcançar o “respeito” e a confiança dessas comunidades.
O motivo básico fundamental da desconfiança e da não ratificação do sistema formal de gestão ambiental-pesqueira por parte dos pescadores tradicionais locais é que este sistema desrespeita diretamente as duas regras chave que estão arraigadas basilarmente no código informal do respeito (o dos pescadores), atropelando o PHT local que regulamenta o usufruto dos seus territórios pesqueiros.
Portanto:
1- As instituições governamentais formais falham, por não considerar a regra do chegar primeiro, pois a comunidade tradicional está ligada àquele território por séculos e o “meio ambiente[2] com seu regramento alienígena surgiu apenas recentemente;
2- Os legisladores falham, por instituir um processo arbitrário de tomada de decisões, construído e politicamente barganhado em gabinetes, que não respeita a autoridade comunitária da mestrança e o grau de conhecimento que os mestres detêm sobre o uso do ambiente natural local e as especificidades próprias de cada território pesqueiro. Valorizando critérios ecológicos e político-econômicos da sociedade urbano-industrial e desvalorizando o PHT local.
Assim, a esfera governamental, através de seus analistas ambientais tecnocratas tenta, em vão, reduzir a diversidade fluída e volúvel do mar e seus recursos inconstantes a um regramento denominador comum universal. Os instrumentos normativos, tais como: leis, decretos, resoluções e portarias não dão conta de policiar todo o espectro de variáveis relacionadas ao uso do ambiente marinho. Essa é uma habilidade somente reservada aos mestres pescadores que estão ligados material e simbolicamente a um território pesqueiro local, particular e específico, transmitido socioculturalmente de geração em geração.
Existe um abismo entre visões de mundo diversas, na busca de um novo horizonte político-científico que dê conta da complexidade das urgentes questões socioambientais planetárias que se colocam para a humanidade.
Até agora, apesar dos inúmeros sinais de catástrofes socioambientais iminentes, a única certeza político-científica validada é a da incerteza ampla e generalizada sobre qual rumo devemos tomar. O paradigma científico mainstream atual, ainda incapaz de apontar um novo rumo claro e certo que liberte a própria ciência do círculo vicioso epistêmico positivista em que ela mesma se colocou, precisa considerar a validade de outras formas de saber que também se comprovam eficazes. Incorporando assim outras formas de também produzir ciência de modo empírico, e sofisticado, não pela teoria, mas por sua prática histórica permanente e ancestralmente continuada através dos tempos.
Desse modo, o saber-fazer constituinte do PHT pode contribuir ao menos para orientar em qual direção e sentido deva o conhecimento político-científico “normal” caminhar para superar a atual crise de não resposta acerca das interações homem-natureza.
Seria esta a implementação de um novo ethos político-científico capaz de ampliar o alcance da gestão governamental: integrando diferentes modos de percepção do mundo ao nosso redor ao respeitar a autonomia dos pescadores locais na aplicação do patrimônio cultural pesqueiro dessas comunidades, ao seu próprio território marítimo de origem, em consonância com os objetivos de conservação socioambiental do Parque Estadual da Ilha Anchieta[3], da APA Marinha do LN, do SNUC e da Resolução 169 da OIT.
Nosso trabalho demonstra a dificuldade extrema dos órgãos oficiais responsáveis pela fiscalização e gestão dos recursos pesqueiros em: conhecer, reconhecer e legislar sobre a diversidade de artes de pesca, técnicas e petrechos desenvolvidos e adaptados localmente de acordo com as peculiaridades de cada espécie alvo e cada ambiente marinho. Também se mostrando incapazes em enxergarem o “mundo” através da cultura local dos pescadores artesanais caiçaras.
O que prevalece no universo da “política de Estado” para o “meio-ambiente”, são sempre os interesses do capital econômico especulativo dissimulado e/ou disfarçado com a utilização de técnicas de “marketing verde” (greenwashing), usurpando conceitos científicos “ambientalistas” em causa própria. A finalidade dessa estratégia é obter o apoio da “opinião pública” para seus “empreendimentos turísticos”, condomínios e marinas “sustentáveis”[4] que gerariam “oportunidades de emprego e renda” aos pescadores e suas famílias. Estes, assim, poderiam “parar de devastar os peixes” abrindo mão de seus territórios pesqueiros para o “mergulho contemplativo” ou para a indústria da piscicultura.  É esse o discurso retórico “sustentável” especulativo padrão, que hoje domina os “fóruns” do litoral norte paulista.
Não obstante essa associação entre Estado e capital econômico, o processo de construção de políticas públicas através de normas de comando e controle, que é fruto do embate das ideias tentando apreender ou moldar a dimensão física material, de acordo com interesses político-econômicos, é, em sua essência, antagônico ao processo de construção do regramento tácito das populações tradicionais.
Na estruturação do trabalho e do manejo nos pesqueiros, é a natureza material dos espaços, com seus ritmos, ciclos, surpresas e geografia peculiares, quem molda as “leis do respeito”, dentro de uma tradição cultural local resiliente, o PHT.Desse modo, o saber-fazer tradicional está em consonância com o plano material bio-geofísico em que se insere, num processo análogo ao científico de constante avaliação, corroboração, adaptação e revalidação do conhecimento pesqueiro local.
Portanto, qualquer tentativa de gestão sobre essas culturas-territórios-ambientes que não “respeite” as dimensões materiais e simbólicas da população local, seus saberes, técnicas e tipologias de pesca, reconhecendo a sua capacidade de gerência eficaz do ambiente natural em que estão propriamente inseridas, contribui para a construção de uma política pública natimorta. Impossível de ser posta em prática, ou absorvida pelo PHT, devido a sua original ininteligibilidade ao “espírito caiçara”. Trata-se da institucionalização oficial do epistemicídio.
Assim, o máximo de concretude que estas regras alienígenas alcançam é a de uma simples folha de papel amarelada pelo tempo, esquecida em um fundo de gaveta qualquer.
Ou, se for mais nobre seu destino, uma página do “Diário Oficial” que embrulha a garoupa de linha vendida por um pescador caiçara do lugá, no banco da sua canoa.
A cultura caiçara resiste.

Foto: Peter Santos Németh, Praia da Enseada, setembro de 2006


[1] Comunicação pessoal do mestre Antenor dos Santos, Praia da Enseada, 2004.
[2] Denominação genérica, comum entre os caiçaras, de tudo que envolve questões ou instituições governamentais de regulamento e gestão das áreas naturais.
[3] Principalmente do Plano de Manejo do PEIA de 1989 e das oficinas do Conselho Gestor do PEIA de 2008.
[4] Seria este o caso de: proporcionar para a geração atual a oportunidade de desfrutar residências de alto padrão dentro de resorts de luxo envoltos pela mata atlântica e com direito a garagens náuticas, sem comprometer a capacidade dos futuros herdeiros de também possuírem suas mansões na floresta e ancoradouros para seus iates?

sábado, 4 de março de 2017

A PESCA DE TRÓIA EM UBATUBA-SÃO PAULO

SUBSÍDIOS PARA O PLANO DE GESTÃO PARA O USO SUSTENTÁVEL DA TAINHA, NO BRASIL.

Autores:
Peter Santos Németh e Antonio Carlos Sant'Ana Diegues

Resumo:
O presente estudo etnográfico procura caracterizar a arte de pesca denominada pesca de tróia e os petrechos utilizados nesse tipo de técnica pesqueira tradicional, em Ubatuba. A pesca de tainhas e paratis (Família Mugilidae) é de grande valor socioeconômico e seus primeiros registros no litoral sudeste brasileiro datam de meados do século XVI. Ainda hoje, a pesca de tróia é praticada em diversas comunidades locais do litoral norte de São Paulo. Culturalmente, essa técnica de pesca é de extrema importância para a transmissão dos saberes tradicionais relacionados às artes de pesca praticadas em canoas à remo e uma das principais responsáveis pela manutenção do patrimônio cultural pesqueiro caiçara.

TEXTO COMPLETO

Este artigo derivou da dissertação de mestrado entitulada:
A tradição pesqueira caiçara dos mares da Ilha Anchieta: a interdição dos territórios pesqueiros ancestrais e a reprodução sociocultural local
Praia da Enseada final dos anos 1940. Foto: Paulo Florençano

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

ADRIANA MATTOSO - 40 ANOS DEPOIS, MAIS VENTO CONTRA.

Atualizado em 07-02-17: Entrevista INFORMAR Ubatuba com o ex-gestor do Núcleo Picinguaba
denuncia mais descalábrios da FF para o comércio descarado de nossa zona costeira. Denuncia também as manobras do GERCO.

Importante percurtir e repercurtir esta entrevista de Adriana Mattoso ao jornal INFORMAR Ubatuba. Trata-se de um relato contundente de quem observou de muito perto a "barganha política, visando conquistar a prefeitura de SP, e daí para fortalecer o projeto de poder do PSDB em nível estadual e nacional" utilizando como "dote" a Fundação Florestal e nossas UCs paulistas. Este é um movimento já iniciado no final dos anos 1960 em todo o LITORAL NORTE e sul fluminense, e que nesta época foi retardado pela LUTA (Documentário Vento Contra) de pessoas como a própria Adriana Mattoso. Por volta de 2005 em Ubatuba, a ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA retomou seu ataque dominando os FÓRUNS LOCAIS de discussão sobre o ORDENAMENTO COSTEIRO. A continuação de toda esta história e a fase atual, escancarada, do projeto de privatização da zona costeira deixo por conta da entrevista. A resistência continua.

ENTREVISTA
Ex-funcionária da Fundação Florestal fala sobre crise no órgão paulista
por Renata Takahashi - 10/01/2017

Em novembro de 2016, após uma longa e importante carreira na área de proteção e gestão ambiental em órgãos públicos do governo do Estado de São Paulo, Adriana Mattoso pediu demissão da Fundação Florestal.

Em entrevista ao InforMar Ubatuba, concedida cerca de 1 mês após sua saída, ela falou sobre a crise na Secretaria do Meio Ambiente, a situação e os desafios das Unidades de Conservação (UCs) e sua visão sobre a concessão de parques a empresas.

Leia a entrevista na íntegra:

InforMar - Como você resumiria sua história como funcionária da Secretaria do Meio Ambiente e sua ligação com as Unidades de Conservação do Estado de SP?

Adriana - Tudo começou com a campanha e apoio aos caiçaras de Trindade (Paraty, RJ) na luta pela permanência em suas terras, por meio da Sociedade de Defesa do Litoral Brasileiro, que foi uma das primeiras ONGs socioambientais, fundada em 1978. O governo de André Franco Montoro, em SP, o primeiro eleito pós ditadura, nos convidou a trabalhar na SUDELPA - Superintendencia do Desenvolvimento do Litoral Paulista, em 1983. Criei e coordenei a Equipe de Resolução de Conflitos de Terra, o Grupo da Terra, junto com Fausto Pires de Campos. Os conflitos de terra aconteciam sobretudo nas Unidades de Conservação, que estavam praticamente abandonadas naquela época. Chegamos a atender mais de 100 conflitos na região do litoral e Vale do RIbeira. A presença do Estado e o apoio de técnicos e advogados reforçava os direitos das populações tradicionais que viviam na Jureia, Serra do Mar, PETAR, e outras UCs, ou mesmo fora delas. Afugentamos muitos "grileiros", apoiamos os Guarani, Caiçaras e Quilombolas.

Com a abertura da Rio-Santos, em 1974, a Fazenda Picinguaba , em Ubatuba, que era do governo estadual, começou a ser invadida. A Caixa Econômica do Estado (que detinha a escritura) nos chamou para intervir, em 1984.  Muitos invasores imediatamente abandonaram a área, outros foram indenizados, os moradores mais antigos da área optaram em ficar, fizemos um acordo verbal, pois a área já estava inserida nos limites do Parque Estadual da Serra do Mar (de 1977/79), para que não derrubassem mais floresta, nem vendessem para terceiros, e esse acordo vem sendo respeitado até hoje. Era este nosso trabalho: reforçar o respeito âs populações tradicionais, e buscar compatibilidade com a conservação ambiental.

Desta forma nos envolvemos na gestão das Áreas Protegidas em SP. Em 1986/7 a SUDELPA foi extinta, a SMA foi criada, e nossa equipe se dividiu: parte foi para o ITESP - Instituto de Terras de SP, e parte foi para a SMA e em seguida Instituto Florestal. No Instituto Florestal coordenei o Plano de Manejo do PE Serra do Mar, quando criamos a Zona Histórico Cultural Antropológica, que permite às comunidades tradicionais de Picinguaba e Camburi desenvolver atividades de subsistência, e prevê recategorização para UCs que permitam ocupação humana no seu interior, ao contrário da categoria Parque Estadual.

Meu trabalho nestes últimos 33 anos foi principalmente contribuir para o fortalecimento do PE Serra do Mar, por meio da implantação do Núcleo Picinguaba, e posteriormente de novos núcleos, planejando e construindo bases de proteção, centros de visitantes, produzindo cartazes, folhetos, o site do PESM, coordenando cursos, projetos para implantação de trilhas, capacitação de equipes, recuperação ambiental, e uma série de atividades que compõem a gestão de áreas protegidas.

Desde a criaçao da SMA houve um esforço maior do governo para fortalecer as Unidades de Conservação. Muitas UCs foram criadas, como a Estação Ecológica da Jureia, o Parque Estadual Marinho da Laje de Santos, as APAs Marinhas, dentre muitos, e, da minha parte, coordenei a criação do PE Restinga de Bertioga (2010) e a ampliação do PESM (2010). Foram desenvolvidos projetos com recursos internacionais para melhorar a infraestrutura das UCs e a proteção, como o PNMA - Programa Nacional do Meio Ambiente, e o Projeto de Preservação da Mata Atlântica - PPMA, que contribuiu para o PE Ilhabela e Serra do Mar, dentre outros.

O maior de todos é o Programa de Recuperação Socioambiental da Serra do Mar e Mosaicos da Mata Atlântica, que começou em 2009/10, do qual fui Supervisora Técnica do componente ambiental, na Fundação Florestal. ( Desde 2007 as UCs de SP são administradas pela FF).

InforMar - Quando e por que você saiu da Fundação Florestal?

Adriana - Eu pedi demissão em novembro de 2016. Até 2010 o governo de SP trabalhava para fortalecer a gestão ambiental de todo o Estado. Éramos exemplo e tínhamos orgulho de trabalhar no governo. De 2011 para cá, no entanto, o Sistema Ambiental Paulista vem priorizando atender  mais a interesses políticos e empresariais, em detrimento do interesse público da conservação e gestão ambiental, apesar do grande esforço e obstinação da maioria da sua equipe.

Muitas das metas do Programa Serra do Mar deixaram de ser cumpridas pois não houve priorização institucional por parte de altos dirigentes, e, mais recentemente, uma série de projetos que foram contratados e concluídos, foram cortados do orçamento, ou seja, gastou-se muito para elaborar projetos e Termos de Referência para cumprir as metas técnicas ambientais do Programa, e os recursos foram redirecionados ou cortados.

InforMar -  Qual a crise interna na Secretaria hoje que tem causado indignação por parte de ambientalistas e funcionários?

Adriana - A crise é essa: a SMA foi utilizada como dote para uma barganha política, visando conquistar a prefeitura de SP, e daí para fortalecer o projeto de poder do PSDB em nível estadual e nacional. Não existe um programa para fortalecer nem melhorar a conservação e a gestão ambiental do Estado. Muito pelo contrário.

A Fundação Florestal vem tendo altíssima rotatividade de Diretores Executivos. E conta com muitos técnicos em cargos de confiança, que podem ser trocados a qualquer momento. Isto fragiliza muito a gestão. A proteção das UCs é uma atividade muito complexa. Combater caçadores, palmiteiros, invasores, requer muita força institucional, muita coragem e obstinação. A articulação com a sociedade é fundamental, mas para isto é necessário fortalecer e respeitar os Conselhos Consultivos, os Planos de Manejo, realizar parcerias com instituições e comunidades locais, capilarizar a conservação, trazendo benefícios para as áreas protegidas e seu entorno, criar atividade econômica por meio do uso público, modernizar a gestão. Atender ao público, estruturar a visitação, conquistar parceiros, não inimigos!

InforMar - Como essa crise no Sistema Ambiental Paulista tem afetado ou pode afetar as Unidades de Conservação de Ubatuba?

Adriana - Como você bem informou na sua matéria da última edição de dezembro/16, as UCs de Ubatuba, bem como todas no Estado, vem tendo suas equipes reduzidas para um  mínimo que não é suficiente nem para garantir o patrimônio físico da administração, muito menos o patrimônio natural, ambiental. E a questão não é somente de equipe. Foram gastos recursos altíssimos para pagar uma série de desapropriações de áreas que agora são públicas, foram construídas ou mantidas instalações, adquiridos equipamentos, tudo isto para consolidar o domínio público, ou seja, o patrimônio conquistado com muito esforço e investimento. Abandonar estruturas físicas poderia até ser considerado como prevaricação.

E consolidar este domínio é apenas o primeiro passo para a implantaçao da UC. Pois seu objetivo é promover a proteção ou conservação dos serviços ecossistêmicos - água, clima, estabilidade física, biodiversidade, a própria paisagem... para permitir, além da manutençao da vida, a realização de atividades de lazer, uso público, educação ambiental, pesquisa...

InforMar - Quais são os principais desafios que enfrenta o Parque Estadual da Ilha Anchieta, o Parque Estadual da Serra do Mar Núcleo Picinguaba e a APA Marinha do Litoral Norte hoje?

Adriana - Além de Picinguaba temos os Núcleos Caraguatatuba, São Sebastião e Padre Dória do PE Serra do Mar. E o PE Ilhabela. Todos eles estão com equipe defasada, fato que gera uma pressão e tensão absurda para seus gestores, que vem perdendo a capacidade de garantir a integridade física das instalações, das equipes, dos equipamentos, e, sobretudo, da conservação ambiental. O maior desafio é a própria comunicação e parceria com os Conselhos e com a sociedade como um todo. A cobrança recai sobre os gestores, e pouco para a instituição e seus dirigentes. Os projetos despencam como cometas vindos da cúpula da SMA e os gestores tem que se virar para explicar o inexplicável... pois não podem nem se manifestar livremente ou até mesmo participar institucionalmente de reuniões e fóruns dos quais fazem parte. O regime de exceção democrática que vem se configurando em nível federal, está se estabelecendo muito rápido na gestão da SMA.

InforMar - Em relação ao Zoneamento Ecológico Econômico do litoral norte, cuja revisão está na reta final mas que se arrasta há anos em um longo e polêmico processo, quais são seus principais problemas?

Adriana - Este é um processo que teve, na sua primeira versão, em 2004, uma participação muito forte e legítima da Sociedade como um todo. Os técnicos da SMA participavam mais ativa e livremente do ponto de vista técnico. Nossos pareceres eram considerados, mais respeitados. A sociedade civil era mais combativa, mais independente. Nesta revisão o processo já começou bastante contaminado politicamente, a partir da própria SMA. O objetivo, desde o começo, foi ampliar as áreas urbanizáveis e industriais, atender aos interesses das prefeituras, dos grandes projetos de ampliação do porto, da transformação de Caraguatatuba num distrito industrial, de atendimento às necessidades do pré-sal.

Isto me parece ser também reflexo do quadro nacional, em que a flexibilização do Código Florestal pode ser considerada como um marco negativo. Desde então, a legislação ambiental vem sendo enfraquecida a todo momento. Muitos  políticos e dirigentes vem tentando o tempo todo cancelar as inúmeras conquistas da sociedade na conservação. A própria sociedade civil, algumas organizações não governamentais, acabam dependendo, muitas vezes, de recursos cuja origem são grandes corporações. As fontes de financiamento estão secando, a crise está apertando pra todo mundo... então não há mais aquele grito da sociedade em defesa da natureza...  em situações muito especificas... com exceções, é claro!

Quanto mais fortes são os indicadores de colapso do clima, dos recursos pesqueiros, da extinção em massa de espécies de fauna , em um ritmo que nunca havia ocorrido antes, mais os políticos e grande parte do empresariado trabalham para enfraquecer e burlar a legislação.

Os próprios orgãos ambientais acabam pressionando muito mais os pequenos, que não podem comprar terrenos para construir suas casas, invadem áreas protegidas, aqueles pequenos agricultores, pescadores artesanais, a raia miúda... e aí é natural que a sociedade reaja contra estas penalizações.

InforMar - Qual a situação (recursos humanos, materiais, expectativas) da Fundação Florestal em Ubatuba hoje? 

Adriana - A situação é de muita vulnerabilidade. A temporada vem aí, e as UCs não contam com pessoal suficiente para atender as necessidades de atendimento ao público nem de proteção ambiental. Uma tristeza.

InforMar - Qual sua visão sobre a concessão de Unidades de Conservação?

Adriana - Estive no Parque Nacional de Yosemite, na Califórnia (USA), e foi muito instrutivo. Em primeiro lugar porque quando entrei nos Estados Unidos, naquela área de controle de passaportes, a primeira coisa que vi foi uma enorme faixa com um bolo de aniversário desenhado, e a frase: Parabéns ao aniversário de 100 anos do Serviço Nacional de Parques. Aí tem um video onde o então presidente Obama dá as boas vindas aos visitantes, se desculpa pelos rígidos procedimentos de segurança, e convida a todos para que visitem os Parques Nacionais Americanos!

O Brasil faz mais de 10 anos que não aumenta seu número de visitantes estrangeiros, que empacaram no número estimado de 5 milhões por ano. Pois somente este Parque Nacional,  Yosemite, criado no século XIX, esperava receber em 2016 cerca de 5 milhões de visitantes!

Os americanos amam seus parques nacionais. Os serviços de concessão do Parque de Yosemite começou no século XIX!

No entanto, ao contrário do que quer o governo de São Paulo, os únicos serviços que são concessionados em Yosemite são os serviços de hospedagem e alimentação, basicamente, bem como a comercialização de produtos relacionados com transporte e visitação. No caso de São Paulo, o governo quer se livrar do ônus de administrar alguns parques. Quer entregar o Parque inteiro! E somente para empresas!

Se atualmente a Fundação Florestal mal dá conta de gerenciar e supervisionar contratos de terceirização de serviços e elaboração de projetos, produtos e atividades técnicas, quando terá a possibilidade de controlar grandes empresas que deverão fazer o papel do Estado na proteção, conservação e outras funções legais das áreas protegidas?

Da mesma forma, as comunidades que atualmente se beneficiam de atividades de ecoturismo e outras no interior e entorno dos parques estaduais, serão transformadas em meros empregados das empresas de concessão? É este um modelo que vai continuar suprimindo das comunidades locais a possibilidade de se desenvolver e fortalecer cultural e economicamente?

Outra ilusão do governo é a de que vai ganhar dinheiro com estas concessões.

Pois lá no Yosemite, que mais parece um "resort", de tantas facilidades que oferece ao visitante, as concessões contribuem apenas com 13% do orçamento anual do Parque.

O objetivo maior é melhorar a qualidade da visitação, principalmente no que diz respeito a hospedagem, alimentação e transporte.

Acredito que este seja o objetivo do nosso governo, também.

Mas é que quase tudo o que se faz atualmente, tanto na Assembléia Legislativa de SP, como no Congresso Nacional, como nas cúpulas governamentais, tem tido claramente o unico objetivo de privilegiar interesses privados, grupos empresariais e projetos políticos de poder. Então fica dificil acreditar na efetividade do atual projeto de concessões de UCs em SP.

Para concluir: enquanto a sociedade não for capaz de se mobilizar mais e melhor para garantir a diminuição da desigualdade social, o respeito às iniciativas locais, à participação nas decisões de governo para melhorar as condições da base da pirâmide socioeconômica e da conservação dos serviços ecossistêmicos, seremos cada vez mais oprimidos, a natureza cada vez mais destruída, e pouco vai sobrar para as próximas gerações.
 ______________________________________________________________________
*A Fundação Florestal foi procurada pelo InforMar, mas não se manifestou até o momento.
Imagem: NÉMETH, 2016, p.210.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

A Biblioteca Municipal Ateneu Ubatubense já tem.

Uma das formas de retribuir toda a generosidade do povo caiçara ubatubano em comigo compartilhar seu valiosos conhecimentos foi deixar um exemplar original da dissertação por mim elaborada disponível para consulta na Biblioteca Municipal de Ubatuba. Quem quiser é só passar lá e pesquisar: SITE DA BIBLIOTECA


RESUMO

NÉMETH, Peter Santos. A tradição pesqueira caiçara dos mares da Ilha Anchieta: a interdição dos territórios pesqueiros ancestrais e a reprodução sociocultural local. 2016. 248 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Ambiental) – Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental – Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.


O presente estudo analisa os saberes e técnicas patrimoniais utilizadas pela população dos pescadores caiçaras que atuam na região da Ilha Anchieta e Enseada do Flamengo, em Ubatuba, litoral norte do Estado de São Paulo. Este corpo cumulativo de habilidades especiais, transmitidas oralmente, compõe o conhecimento tradicional pesqueiro local, patrimônio imaterial sobre o qual fundamentam sua reprodução sociocultural e o manejo de seus pesqueiros[1] tradicionais. Abordamos através de pesquisa qualitativa não dirigida, as relações entre a apropriação social do ambiente marinho e os conflitos decorrentes do embate entre essa noção ancestral de propriedade por parte dos pescadores artesanais locais frente às questões legais do gerenciamento territorial desses pesqueiros pelos órgãos oficiais, utilizando uma abordagem etnográfica em nosso trabalho de campo, seguindo preceitos etnocientíficos, aspectos da etno-oceanografia e da socioantropologia marítima. Hoje, a disputa pelo domínio sobre esses recursos pesqueiros comuns (seja por órgãos governamentais conservacionistas ou de fomento à pesca, seja pela pressão política da pesca capitalista de escala industrial e da pesca esportiva amadora) cria frágeis mecanismos de regulação do acesso a esses pesqueiros tradicionais e aos recursos que neles ocorrem, quase sempre excluindo o pequeno pescador artesanal do processo de tomada de decisão e governança. Concluímos que esta regulação pesqueira, federal ou estadual, feita “de cima para baixo” ignorando deliberadamente as peculiaridades locais e os processos e mecanismos pelos quais os pescadores estabelecem, mantêm e defendem o usufruto ou a posse de espaços marítimos, confirma a hipótese de que este sistemático des-respeito atropela as regras tradicionais baseadas no direito consuetudinário e põe em risco a característica fundamental que rege e sustenta todo o universo sociocultural e simbólico dessas populações tradicionais locais: a sua liberdade e autonomia, ou seja, a capacidade de governarem a si próprios. 


Palavras-chave: conhecimento tradicional, territórios pesqueiros, apropriação social do ambiente marinho, direito consuetudinário caiçara.



[1] Além das palavras estrangeiras, utilizar-se-á também o itálico para destacar as expressões especiais do vocabulário técnico tradicional caiçara local.